Dicas de iluminação: saiba que tipos de luz são indicadas para os diferentes ambientes de uma casa

Iluminação é um dos pontos mais importantes de uma proposta de decoração de interiores.  Para ter uma ideia de seu valor, a quantidade certa de luz em um ambiente pode melhorar a qualidade de vida de seus ocupantes.

O assunto é mesmo complexo e faz muita gente ficar de “cabelos em pé” com tantas dúvidas quanto ao que comprar para a sua casa. Bem, é pra isso que serve o planejamento luminotécnico.

Só um profissional especializado é capaz de dizer o quanto de luz seria necessário para valorizar a decoração dos ambientes de uma residência.

Lembre-se de que uma iluminação mal planejada pode prejudicar o funcionamento, conforto e eficiência dos espaços. Por hora, para ter uma ideia de como seria possível melhorar o sistema instalado em sua casa, acompanhe as nossas dicas.

 

A importância de um bom projeto luminotécnico

Existem  incontáveis opções de lustres, pendentes, arandelas, spots e muitos outros produtos para a iluminação de interiores. Alguns itens devem ser presos às paredes e outros aos tetos.

Há os que fornecem uma luz geral e difusa e outros uma luz focal. Cada produto poderia ser classificado de acordo com estas funções e características.

Agora, você saberia dizer, de toda esta lista, o que comprar para a sua casa? A resposta para esta questão é as suas necessidades.

Mas o arquiteto ou engenheiro eletricista que elaborar o plano luminotécnico de sua casa vai levar em conta também as funções de cada ambiente. Então, basicamente, é preciso analisar o que se espera de cada lugar e o que se pode instalar para melhorar a iluminação.

Uma luz ambiente adequada já tende a tornar os espaços mais agradáveis e bonitos. Mas, nem sempre ela é o suficiente. Daí entra em cena a luz elétrica.

Um profissional sabe disso e fará um bom uso de seu conhecimento para encontrar as melhores soluções que vão ajudar a melhorar o visual de uma casa. Ele vai ajudar a definir os pontos de luz e as lâmpadas ideais – o que inclui as mais econômicas.

“Um projeto de arquitetura com um bom estudo de iluminação é a certeza da satisfação para o cliente. Luminárias especiais, com lâmpadas eficientes, posicionadas nos locais corretos, fazem a diferença.”,

“A iluminação bem feita é versátil e cênica, e transforma o ambiente criando nuances e efeitos que incitam estados de espírito, tornando espetacular o que já é bom.”,

“E a iluminação deve ser de acordo com as sensações que você quer despertar no espaço.”
– arquiteto Alexandre Skaff, em reportagem de Revista Casa e Jardim.

A iluminação ideal para cada tipo de ambiente

A iluminação é fundamental para que o arquiteto ou designer obtenha um bom resultado em sua proposta de decoração de interiores. E não é só levada em conta a questão da estética, mas a função de cada recanto e a relação que os moradores terão para com ele.
Quando o visual é equilibrado e convidativo é porque houve planejamento. Veja como fazer também essa combinação certa em sua casa!

Hall de entrada

O hall de entrada é como um cartão-de-visitas; é onde o seus convidados terão o primeiro contato com os interiores de sua residência. Por isso, ele precisa ter uma iluminação acolhedora, que pode ser indireta e intimista ou direta, destacando um determinado elemento. Essas luzes focais podem partir tanto do teto quanto das paredes ou do piso, a partir de lustres, pendentes, arandelas ou LEDs.

 

Sala de Estar

A sala de estar é onde as famílias e os amigos se reúnem para confraternizar e descansar. Portanto, nesse caso, cabe uma iluminação agradável e aconchegante, servindo para várias atividades.

O melhor é ter uma combinação de soluções – uma luz difusa e suave; além de luzes pontuais marcando certos pontos da decoração, como a mesa de centro, mesas laterais e mais.

Nas revistas e sites de moda para casa é comum ver projetos onde foi colocado pontos de luz em cima do sofá, de poltronas e de puffs. Isso é muito perigoso, pois pode incomodar as pessoas que se sentarem logo abaixo desses focos.

Também se deve ter cuidado para não prejudicar a visão da televisão e com as sensações de ofuscamento.

O ideal é caprichar na iluminação geral homogênea – de preferência, usando lâmpadas amarelas. Depois, para deixar a decoração mais atrativa, podem-se destacar nichos, prateleiras e painéis com a ajuda de fitas de LED.

Outra opção é embutir spots com lâmpadas dicroicas na estante ou armário, fornecendo uma iluminação mais pontual.

 

Sala de jantar

Diferente da sala de estar, a sala de jantar permite uma cena mais variada de iluminação. Nem precisa dizer que é essencial um ponto de luz em cima da mesa – recomenda-se um lustre pendente.

Mas também deve ser acrescido nessa área um sistema de luz difusa – que pode estar embutido no forro ao redor. A vantagem é que, dependendo do evento, a família seria capaz de modificar sua intensidade.

 

Cozinha

A cozinha é o ambiente da casa que precisa ser mais bem iluminado. Isso porque, nesse local, as pessoas tende lidar com alimentos, facas, fogo e mais – tudo muito perigoso. O cenário precisa estar sempre bem claro. Para isso, seu esquema de luz seria geral e eficiente.

Geralmente, usam-se lâmpadas de luz branca, com grande ICR – Índice de Reprodução da Cor. São exemplo as halógenas e dicróicas.

“Estes ambientes não podem ter exagero ou excesso de informação, é preciso olhar para eles como se fossem um anexo das outras áreas sociais da casa.” – arquiteta Andréa Parreira, em reportagem de VIX.

 

Banheiro

O banheiro é outro cômodo que também pede uma iluminação forte, geral e clara. Mas, além da luz geral no teto – que deve ser o foco mais intenso -, é necessário ter também uma luz próxima à bancada da pia, onde fica o espelho.

Uma dica valiosa dos projetistas é usar uma luminária difusa e indireta para que o rosto da pessoa fique iluminado de maneira uniforme e sem sombras.

Qual mulher nunca sonhou em ter um espelho tipo camarim para se admirar e montar a maquiagem? Bem, o banheiro não é local certo para uma luz assim. E nem pense também em lâmpadas amarelas, pois elas podem te fazer transpirar e estragar toda a produção. E se você não pode ter uma arandela próxima ao espelho, improvise com um spot no teto e direcione o foco para este setor do banheiro – que sabe funciona?

 

Quarto

O quarto é o ponto da casa que precisa ter menos iluminação – com exceção do closet. Isso não quer dizer que ele não deva ter um bom sistema de luz.

Na verdade, ele precisa até de várias fontes diferentes. No teto, a pessoa pode brincar com soluções diferentes, desde lustres a sancas e LEDs embutidos em forros de gesso. O importante é que o conjunto seja muito suave, sem exageros.

Em alguns casos, o quarto é utilizado não só como local para descanso, namoro ou troca de roupa. Tem gente que desempenha atividades secundárias nesse ambiente, como ver TV, trabalhar e estudar.

Por isso, além da luz geral, é preciso ter outros pontos de luz auxiliares. São exemplos abajures, luminárias de piso, luminárias articuladas e mais.

Com todas essas explicações, agora está fácil de definir a melhor maneira de iluminar sua casa. Aproveite para usar todo o seu bom gosto e renove os ambientes que estão precisando de um brilho extra!

Estas dicas de iluminação foram criadas pela equipe Viva Decora.

Compartilhe: